Estava escuro... tinha medo... mas fez-se luz, iluminava-me e a tudo o que me rodeava. Era eu, foi o que aconteceu quando me descobri a mim próprio!

sexta-feira, janeiro 07, 2005

O sentido relativo das coisas

Podia começar pelas horas, e o seu sentido relativo, como o facto de estar a escrever a esta hora.

Na vida temos muitas posições absolutas, o que gostamos, o que não gostamos, o que alguém fez ou não fez, o certo e o errado de uma atitude, convicções pessoais, avaliações interpessoais. Se repararmos o nosso vizinho do lado também as tem, e os nossos pais ou filhos, amigos ou conhecidos. Sempre com mais certezas ou menos, todos vivemos com um conjunto de posições absolutas. Na China, nos EUA, nas Canárias, em qualquer lugar, em qualquer época.

E o nosso ponto de vista é claramente válido, qm é q pode dizer q n?!!? É formado com base num conjunto de características individuais, experiências, influências contextuais, entre outras. No entanto ao compararmos todas estas posições observamos que muitas vezes divergem e até são contraditórias. Afinal há várias posições absolutas sobre a mesma realidade, quem terá razão? Quem estará certo? Cada um acredita que a sua posição faz sentido, embora possa haver quem a ache inaceitável...

Isto serve para dizer que secalhar existe um enorme relativismo nas realidades, o que dá origem a muitas posições absolutas. Atentemos nisso e não condenemos pura e simplesmente uma opinião absoluta diferente da nossa, pq ambas não são mais do que posições relativas!

Até akilo a q chamamos de factos, por vezes tem uma enorme carga de subjectivismo na forma como é apresentado, o q ensinarão os americanos aos seus alunos sobre o ataque de Pearl Harbour e os japoneses? Imaginas q deve ser diferente, n?! E afinal trata-se de um facto histórico...

1 comentário:

vera disse...

ola amigo,obrigada pelo lindissimo postal q envias te! um 2005 de sonho para ti!!!eu prometi q viria escrever algo pensado, e cá estou eu com muito prazer a faze-lo. o teu blog e sem duvida um aconchego naqueles dias em q me sinto mais em baixo ou q acho tenho motivos p estar triste...chego aqui e vejo q tudo é relativo ;)... e o certo é q melhoro...vou aproveitar para partilhar ctg um texto que escrivi num daqueles dias q nos sentimos perdidos e eu tal como tu, uso a escrita como forma de me encontrar...e deu nisto...
« Não sei o q se passa cmg... tou deprimida... motivos????...não sei...ou talvez haja alguns...ha varios...e nenhuns...sinto- me sozinha;n sozinha hoje ou agora, sinto- me soziha no meu universo de amigos...uma sensaçao de vazio se apoderou de mim...estou perdida a divagar numa mistura imensa de sentimentos despropositados...pq é q sinto q tudo é complicado??!pq é q o meu mundo agora muda mais depressa do q antes?!...será q é isto q se chama crescer??...será q é só isso??!!...será q a minha volta está mais gente a sentir se assim ou será de mim???...pq é q consigo formular tantas perguntas e nenhuma resposta?!...qd eu acabar de ler isto será q p mim vai fazer sentido?... será q vai fazer sentido para alguém??...
eu nao era assim...tou c medo de ter mudado, de n ser so uma fase... e sinto me tao culpada...agora mudo de humor e de vontades c uma facilidade brutal, a uma velocidade estonteante e à tão pouco tempo critiquei de forma cruel ou melhor mt cruel alguém por o fazer...será q foi castigo??...acho q nao... espero q nao... desejo tanto bem a esse alguem q...que castigar- me por aquilo, nao faria sentido...quer dizer... acho eu... mas quem sou eu para achar ou deixar de achar sobre as coisas da vida,,,não,não estou a divagar...sinceramente que não...estou só a tentar pôr o conteudo da minha alma em palavras...em papel...será q qd amachucar esta folha ,consigo me libertar desta sensaçao??
Qual será o segredo para ignorarmos o q sentimos mas nao queremos sentir??...será q esse segredo existe?...deve existir...quero descobri-lo...é urgente...quero ser feliz, agora... não sei o q implica eu ser feliz...nem faço questao de saber...mas quero sentir...o tempo q toda a gente diz q cura tudo...será q cura??... e será q quero q o tempo curecertas coisas...acho q quero, mas tb acho q nao sei as consequencias disso e sei q isso me dá medo...já falei mais hoje em medo do q em sei lá qtos anos na minha vida, mas é verdade ando c mais medo do q antes...com necessidade de protecçao...de um abraço... de um regaço...
será o medo sinal de consciência...reflexo de maturidade... ou pelo contrário um obstaculo ao crescimento?...que sensaçao horrenda...não sei explicar...mas não quero sentir...senti me a pedir socorro sem ninguém ouvir!!!hoje estou c pena de mim, mas isso parece me tão idiota,tão fútil, mas real!!! Ando outra vez a nao conseguir dormir...embora uqeira mt dormir; pq enquanto durmo não sinto nada...
Costumam dizer q a almofada é a nossa melhor conselheira, tb achava, mas agora...de q serve uma almofada q n me ajuda, q n me deixa dormir e esqueçer... esqueçer o quê?... sei lá...esqueçer algo de q nao me quero lembrar ou até mesmo coisas que me quero lembrar mas q me deixam assim...
A nossa memória é uma coisa tão...tão...tão diferente...diferente é a palavra politicamente correcta para tudo o q queremos dizer sem dize lo... senão vejam na memória, grande parte das nossas melhores recordaçoes provocam-nos tristezas e grande parte das nossas más memórias dão -nos força p continuar...Ora por uma ordem de pensamento inteligente diriamos que não queremos mais experiencias felizes...mas no entanto é isso q todos os dias corremos atrás...é no fundo o q todos queremos...isto é no minimo diferente...racionalmemte estamos a acumular materialq nos poe triste, sensorialmente queremos e voltamos a querer ser felizes...agora e sempre;como se a memória não existisse ou como se nunca aprendessemos, o q ela representa...se calhar é mesmo isso nunca aprendemos..
Haja alguém q nos proteja de nós!pq nós somos p nós inconscientes atrás de algo q alguém çouco uma vez disse ser o nosso caminho;a felicidade!»
um beijo mt grande amigo gosto mt de ti